Se seu pet possui alguma necessidade especial e precisa viajar, não se preocupe, você tem uma solução de embarque com a MooviPet.

Para atender os pets com necessidades especiais, a MooviPet conta com protocolos específicos que garantem o carinho, o conforto e a segurança necessárias para esse tipo de viagem.

cachorro-cadeira-de-rodas

A deficiência não impede o cachorro de viajar

As deficiências não são todas iguais e afetam os cães de maneiras diferentes.

Quando se fala em cachorro com deficiência, muita gente logo pensa em cães paraplégicos.

Mas, assim como acontece entre os seres humanos, existem outros tipos de deficiência, desde um cachorro sem rabo até casos mais graves.

Algumas delas são, inclusive, bem comuns em cachorros idosos, como a cegueira e a surdez.

Enquanto a cegueira, por exemplo, impõe mudanças mais significativas no cotidiano do pet — que deve aprender instintivamente os trajetos até cama, comedouro, bebedouro, tapete higiênico —, outras, como a surdez, não interferem tanto dentro de casa.

Seja como for, é importante que o tutor conheça as peculiaridades de cada deficiência para lidar melhor com elas.

O transporte de animais com deficiências como cegueira e paraplegia sempre representou um desafio para MooviPet, mas não são por isso que eles deixam de viajar.

Pessoas com algum tipo de deficiência são discriminadas nas comunidades em que vivem, podendo ser excluídas do mercado de trabalho e também podem sentir grande dificuldade de adaptação, mas para os animais é diferente.

Isso porque, diferentemente de nós, os cães não se comparam, tampouco remoem sentimentos como culpa, nostalgia ou arrependimento.

Por consequência, independentemente de se tratar de uma condição congênita ou adquirida, o lema deles é: vamos viver e ser feliz.

Daí é de onde vem a alegria que eles demonstram sempre, mesmo que hajam limitações, seja no conforto de casa ou durante as viagens com a MooviPet.

Cachorro com deficiência se adapta com mais facilidade à nova condição

Cães deficientes são afetados principalmente pela limitações impostas e precisam de auxilio para executar algumas tarefas, principalmente durante as viagens, pois lidam com situações que não fazem parte de sua rotina.

Até que o pet se adapte à nova condição, é natural que ele estranhe e fique um pouco mais quieto que os outros animais.

Isso acontece nas primeiras horas de viagem, mas pode acreditar que com a nossa ajuda, ele vai se adaptar!

No caso de cães com paraplegia, eles muitas vezes encontram um modo de se locomoverem mesmo sem a cadeirinha, fazendo poucos movimentos, mesmo que limitados, dentro das acomodações dos veículos da MooviPet.

Cães cegos contam com auxilio de motoristas para fazerem suas necessidades, durante as paradas.

Para que seu pet faca uma viagem com tranquilidade, confira os cuidados necessários:

Selecione a acomodação mais adequada.

Para saber qual acomodação reservar, você deve tirar a medidas de seu pet sentado, das patas à cabeça.

Seu pet deve poder ficar sentado no interior da acomodação sem encostar a cabeça no teto. Sendo assim, você não deve reservar uma acomodação com altura menor.

Essa regra é uma exigência de órgão reguladores em diversas normas nacionais e internacionais sobre bem estar dos animais durante os transportes que garante a segurança e o conforto do seu pet durante a viagem.

Todavia, recomendamos que animais portadores de deficiência física precisem um espaço maior.

Quanto maior for a acomodação, menor será a sensação de confinamento e ele fará uma viagem sentindo-se mais confortável, principalmente enquanto o veículo estiver em deslocamento.

Sendo assim, na hora de escolher a acomodação da MooviPet ou uma caixa de transporte, deixe pelo menos um palmo de distância da cabeça ao teto para que ele tenha espaço suficiente para girar e fazer pequenos movimentos no interior da caixa.

Atenção especial por parte dos motoristas

A assistência prestada ao seu pet com deficiência durante toda a viagem, começa no atendimento, por parte de nossos consultores.

É importante relatar detalhes sobre a deficiência e sobre medidas, cuidados e rotinas implementadas que deram certo e fazem diferença na rotina de seu pet.

Tudo será anotado e os motoristas irão implementar esses procedimentos durante a viagem.

As vagas destinadas a pets com deficiência ou mobilidade reduzida se encontram em locais de maior visibilidade ,o que permite maior monitoramento por parte dos motoristas.

Por ocasião, as paradas são selecionadas com locais com estruturas apropriadas para atender os pets com necessidades especiais.

Muitos cães deficientes não gostam de ficar na cadeirinha o tempo todo

As cadeiras de rodas caninas são grandes aliadas na hora de melhorar a qualidade de vida de um cachorro deficiente físico.

Com elas, ele pode passear com mais facilidade e sem o risco de se machucar, arrastando o corpinho na calçada.

O que muita gente não imagina é que, se usadas o tempo todo, elas podem ser incômodas.

Por isso, quando estão embarcados os pets ficam livres, utilizando a cadeiras de rodas somente por ocasião das paradas.

nas acomodações, o assoalho é forrado com um colchonete revestido de material sintético para garantir mais conforto e segurança.

Nem toda deficiência é custosa para o tutor

As reservas de viagens para um pet com deficiência tem um valor um pouco acima das tarifas normais em razão da necessidade de medidas e utilização de itens de corretos de segurança específicos.

Nunca se esqueça de que um pet com deficiência também gosta muito de viajar.

Não importa qual é a deficiência do filho de quatro patas, pode ter certeza de que viajar e curtir a vida com você ainda faz parte de coisas muito importantes para ele.

Durante nossas viagens, um cão cego, por exemplo, não terá o estímulo da visão, mas ele vai amar sentir novos odores e ouvir músicas diferentes na playlist da MooviPet, com músicas selecionadas para o bem estar dos pets, que traz mais conforto, ajuda à passar o tempo e deixam a viagem mais gostosa. Com cães surdos, é a mesma coisa! Eles se divertem vendo os outros cachorros embarcados e com as pessoas, sentindo outros cheiros em cada parada e por aí vai.

Com o auxílio da cadeirinha de rodas, cães paraplégicos podem passear normalmente durante as paradas sem perder qualquer tipo de estímulo.

Nosso maior cuidados é com relação a interação do companheiro com os outros cães, já que os aparatos podem assustá-los.

Quando um animal padece de uma patologia que o impede de mover-se com normalidade, não só é necessário cuidar das partes afetadas, como também considerar o que afeta o animal no seu conjunto e pode interferir seu conforto durante a viagem.

1. A higiene

Devemos manter a pele do animal fora de contato com fezes e/ou urina.

A lavagem dos pets é feita com soro fisiológico ou toalhas especiais para cães.

Nosso motoristas também se preocupam em mudar a posição do pet por ocasião das paradas e utilizar terapias de fisioterapia passivas, ou seja, mover os membros do animal, suavemente, sem forçar.

Desta forma , é possível evitar que as articulações endureçam devido à imobilidade, de acordo com as prescrições medidas passadas pelo tutor.

2. Alimentação

Os estados patológicos provocam um desequilíbrio nutricional. É importante que sejam verificados alimentos e rações adequadas para que sejam mantidas durante a viagem.

Uma manutenção da nutrição durante a viagem é muito importante para o conforto e boa saúde dos animais.

O veterinário deverá recomendar qual a melhor dieta para o seu cão durante a viagem.

Deve ter-se em conta que muitas vezes há outras doenças além da paralisia que requerem uma alimentação adequada.

3. Xixi nas paradas

Muitos cães com paralisia têm problemas para urinar. Alguns são incapazes de conter a urina e esta vai saindo gota a gota, outros são incapazes de esvaziar a bexiga e os motoristas têm que fazê-lo durante as viagens.

Manter uma boa higiene da micção ajudará a manter a acomodação limpa e garantirá maior conforto durante a viagem.

motorista-levando-cachorro-deficiente-para-fazer-xixi

Lembre-se!

Por razões de segurança, a MooviPet limita o número de pets deficientes nas viagens.

Por isso, é importante que a reserva seja feita antecipadamente, fornecendo as informações detalhadas sobre a deficiência.

Antes da partida, os tutores de pets com deficiência devem consultar a opinião do médico sobre a possibilidade de viajar na dada rota.

Se os cuidados causarem muita preocupação nos tutores a ponto de colocar em risco a saúde e o conforto do pet, recomendamos que seja reservado o transporte na modalidade exclusiva.

Dessa forma o tutor pode acompanhar seu pet e prover todos os cuidados necessários durante a viagem, prevendo muito mais segurança e conforto.

Os pets não precisam de nenhuma documentação especifica para fazer os embarques. Porém, recomendamos maior atenção na hora da avaliação médica para emissão do atestado de saúde e pedimos que indiquem nos documentos os procedimentos e medicamentos necessários para garantir uma viagem segura e confortável.

Caso tenha restado ainda alguma dúvida, você pode entrar em contato com um de nossos consultores por qualquer um dos canais abaixo.

Deixe seu comentário